fbpx

Você se recorda de quando estava no período escolar? Bem lá no início, nos primeiros anos? Muito do que aconteceu nesse tempo pode representar bastante na sua vida atual. Afinal, é justamente a época em que começamos a nos entender, compreender as pessoas e tudo que nos envolve. 

Exatamente por isso, é essencial que nessa fase as crianças possam ter uma acompanhamento psicológico que, na verdade, praticamente não existe nas escolas brasileiras. Algo que deveria ser debatido com a real importância que o assunto pede, já que aspectos como o bullying, por exemplo, surgem justamente nessa etapa da vida.   

O ambiente nas escolas

Um ambiente de aprendizado saudável é fundamental para favorecer um bom desenvolvimento social, pessoal e estudantil. Entretanto, a realidade vivida nas escolas, sobretudo as públicas, é bem conturbada. Assim como as particulares que, apesar de terem outros aspectos específicos, também enfrentam grandes desafios. 

O problema é sistêmico e, muitas vezes, aparece de forma mais marcada na relação entre os próprios alunos que, mesmo sendo bem jovens, já geram conflitos entre si e se atacam com xingamentos relacionados à condição física do outro aluno, por exemplo, dando vida, então, ao bullying.    

Consequências 

E essa rotina de ofensas e negatividade aliada ao não acompanhamento psicológico pode acarretar em diversos problemas, como a depressão, que podem vir à tona com a pessoa ainda jovem ou mais tarde, na idade adulta. E, inclusive, no afastamento da criança dos estudos, o que também gera ainda mais problemas para vida no presente e no futuro.

E tanto para quem sofre quanto para quem causa esse sofrimento, é fundamental uma assistência psicológica que, inicialmente, deveria começar na escola, ação que poderia impactar positivamente na vida pessoal e social das crianças, no comportamento em sala e, consequentemente, no desempenho acadêmico. 

Quando conseguimos entender o aspecto sistêmico da questão, é possível compreender que, muito mais do que dizer que a criança precisa de um acompanhamento, é necessário que as relações como um todo (crianças e crianças, professores e crianças, professores e pais, pais e escola e etc.) sejam potencializadas com o olhar profissional para potencializar a saúde dos indivíduos e do grupo.

Falando assim, pode até parecer um desejo utópico, mas esse ideal já foi quase que obrigatório nas escolas públicas do país, entretanto, neste ano, o projeto que regulamentaria essa necessidade foi barrado e as instituições de ensino continuam com uma realidade bem distante da melhor para os alunos, professores e todos que os envolvem.

A realidade atual e a necessidade de se buscar saúde psicológica

Enquanto não houver nas escolas, que tende a favorecer o olhar sistêmico, as famílias precisam buscar esse acompanhamento de outra maneira, para favorecer o entendimento da real importância de ficarmos com a nossa saúde mental em dia, bem como a física.

Para isso, é necessária uma mudança na percepção social no que diz respeito a esse assunto. Mesmo com o elevado número de informações disponíveis no dias atuais, ainda existem pessoas que têm a convicção de que o acompanhamento psicológico só deve ser procurado em casos mais extremos, inclusive na juventude e no suporte e orientação aos pais e cuidadores, que possuem um número ainda menor de adesões às consultas com profissionais dessa área.

Procure conscientizar e conversar com os adultos e crianças do seu ciclo social, essa mudança de panorama pode começar por nós mesmos e impactar de forma bem positiva no futuro de muita gente. Para conhecer mais sobre o assunto e entender a real importância de se buscar o bem-estar mental, acesse o link: danielgabarra.com.br. Temos muito a conversar! Estamos à disposição.

Comentários
1
Para informações sobre os cursos e inscrições, clique abaixo e envie-nos uma mensagem direta pelo Whatsapp. Até logo!
Powered by