fbpx
Ambiente escolar e a saúde psicológica

Ambiente escolar e a saúde psicológica

Com o início de um novo ano letivo, muitos questionamentos surgem. Entre eles, estão as questões que envolvem o ambiente escolar e seu impacto na saúde psicológica dos alunos e alunas. 

Afinal, esse é um debate muito necessário para a construção de uma escola ainda mais ampla e voltada ao desenvolvimento de crianças, jovens e adultos.

Você já se perguntou o quanto a vida escolar pode impactar na saúde mental das pessoas?

Obviamente, o período letivo é parte fundamental da construção social e individual de todos nós, que vai desde o aprendizado didático às experiências inter-relacionais. 

Escola e bem-estar mental 

Então, por conta disso, ter um acompanhamento da saúde psicológica relacionado ao ambiente escolar é essencial. 

Dessa forma, situações de bullying; conflito entre alunos e com professores; questões que atrapalham o processo de aprendizagem e outros transtornos como depressão e ansiedade, poderiam ser minimizados com o apoio psicológico permanente nas instituições. 

Como mães, pais e responsáveis podem ajudar?  

Do mesmo modo, além dos profissionais da educação e da psicologia, os familiares também têm papel essencial nesta questão.

Então, pode partir dos responsáveis pelos jovens e crianças a iniciativa de potencializar o cuidado e preservação do bem-estar psicológico.

Inclusive junto às escolas que, em alguns municípios, já possuem esses profissionais em atividades nas instituições públicas. 

Todo mundo só tem a ganhar  

Dessa forma, fato é que todo mundo só tem a ganhar com a realização do acompanhamento profissional nas escolas.

Afinal, quando estamos nos sentindo bem com quem somos, independentemente da idade, temos mais oportunidades de desenvolver novas habilidades, mais facilidade para aprender e conviver com outras pessoas.

Todavia, mesmo nos locais em que ainda não exista esse cuidado diretamente nas escolas, é possível encontrar profissionais capacitados para realizar o acompanhamento da saúde psicológica das crianças, jovens e adultos.

Conheça mais sobre o cuidado psicológico 

Se interessou? Para descobrir mais sobre saúde e bem-estar psicológico, basta clicar aqui para ser direcionado(a) aos outros conteúdos do meu blog, você vai conhecer muita coisa legal. 

Aproveite, também, para conhecer a minha área de atuação, acessando aqui

Diante disso, lembre-se sempre: não importa a idade, cuidar-se por completo é mais que um direito, é a chave para potencializar nós mesmos em busca de muito mais qualidade de vida.

O que esperar da vida profissional no novo ano?

O que esperar da vida profissional no novo ano?

Como caminhou sua carreira em 2021? E o que esperar da vida profissional no novo ano?

Se manteve no mesmo emprego, trocou ou está em busca da sua oportunidade?

Seja como for, não despertar certa ansiedade – principalmente para quem está em busca de emprego – é praticamente impossível. 

Sim, isso faz parte, é natural. A questão é: qual a intensidade e frequência dessa ansiedade?

Se ela se torna um empecilho na construção de algo novo ou que lhe impeça de aproveitar as oportunidades, é melhor cuidar disso. 

Sendo assim, para te ajudar no seu planejamento profissional para 2022, com mais calma e a saúde em dia, trouxe aqui alguns pontos a serem observados e que irão te ajudar no alcance de seus objetivos em sua carreira no próximo ano.

Confira!

Dê uma pausa e reflita

Antes de qualquer coisa, é importante estarmos com nossos pensamentos alinhados com nossas ações.

Não é bom pedir demissão sem ao menos refletir sobre as consequências dela, e o mesmo vale para todas as outras mudanças profissionais. 

Então, para começar a dar vida aos seus planos, dê uma pausa e reflita sobre todas as questões que estão atingindo sua carreira atualmente, com calma e autoavaliação será bem mais fácil entender seu momento e as melhores ações a serem tomadas.  

Metas traçadas = objetivos mais próximos 

Depois de fazer essa reflexão, é hora de estipularmos nossas metas reais.

Afinal, o ponto de partida de um bom planejamento é saber qual é o nosso ponto de chegada.

Reconhecer o ponto de partida podendo, dessa forma, avaliar a caminhada… e mirar no que queremos conquistar. 

Assim, se você decidir que deseja mudar de área ou pedir uma promoção, por exemplo, saberá como chegar até lá, quais cursos fazer, quais habilidades desenvolver e etc.

Sabendo – de forma mais objetiva possível – qual a sua meta, mais fácil será saber quais os meios para alcançá-la. 

Prepare-se 

Claro, para enfrentar as mudanças que 2022 pode trazer para sua vida profissional, é importante estar preparado(a).

Então, depois de ter convicção de qual é o seu objetivo e quais os meios para conquistá-lo, é hora de se preparar em todos os aspectos, inclusive no psicológico.

Cuidar-se é um dos passos, tanto da saúde física, quanto mental.

Tem ainda a questão financeira, mudanças de rotina e vários outros aspectos que serão afetados.

Então, prepare-se para todas essas transformações. 

Reconhecer e curtir cada passo da jornada é o que nos dá energia e força para seguir caminhando.

Autocuidado é importante    

E tudo que já foi dito aqui, mais aquele “frio na barriga” e a ansiedade por essas mudanças poderão ser controlados quando estivermos de bem com nós mesmos, com a saúde em dia. 

Aprender a lidar com a ansiedade é, ao invés de tê-la como um peso, uma sobrecarga ou mesmo um congelamento, virar o jogo e transformá-la em uma aliada e usá-la como uma força propulsora.

Isso sim é saúde mental.

Afinal, ter estabilidade psicológica é também uma das vantagens para se ter mais confiança para buscar os seus anseios.

Quando não estamos nos sentido bem, não conseguimos oferecer e nem ter o nosso melhor, não é mesmo? 

Então, se o seu objetivo é buscar esse bem-estar na sua vida em todos os aspectos, seja pessoal ou profissional, clique aqui e conheça mais sobre saúde e bem-estar psicológico.

Quais são as suas metas para 2022?

Quais são as suas metas para 2022?

Quais são as suas metas para 2022? Vai chegando um novo ciclo e a gente já começa a pensar no que ele pode nos trazer. E isso é natural, faz parte criarmos anseios para novos períodos, mas, claro, para que nossos planos sejam colocados em prática, precisamos estar bem em todos os aspectos.

Por isso, também é importante nos priorizarmos e cuidarmos para que nossas metas sejam realmente alcançadas agora e no futuro. Além disso, para te ajudar na realização de seus desejos, existem algumas dicas básicas. 

Que tal conhecê-las agora?

A especificidade é importante  

Geralmente, quando fazemos planos, acabamos sendo bem genéricos e amplos, como “vou comprar um carro”. Nesses casos, uma boa tática para ajudar no alcance de sua meta é a de ser mais específico possível. 

Vai comprar um carro? Então tente estipular um prazo, valores que condizem com sua realidade, modelos que deseje ter e tudo mais que possa se aproximar ao seu carro que virá. 

Planejamento

Seguiremos com o exemplo do desejo da compra de um novo carro. Tudo, literalmente tudo na vida, requer um planejamento, por mais básico que seja. 

E para uma realização maior, como a compra de carro, ter um planejamento é ainda mais essencial, afinal, envolve muito a questão financeira, logística de locomoção e muitos outros aspectos da sua vida. 

Então não espere para se planejar. Essa ação será muito importante para a realização de suas metas! Além disso, essa prática te ajuda na tomada de decisões com mais segurança e, consequentemente, com menos risco.

Assim, seu objetivo poderá ser alcançado com mais assertividade e tranquilidade! É tudo que todo mundo quer, não é mesmo? 

Prazos 

Estabelecer prazos também é fundamental para que possamos realizar nossos objetivos! Sem prazos, o desenrolar dos acontecimentos fica muito “solto”, o que pode acabar acarretando no adiamento do que é preciso ser feito para alcançar as metas. 

Quando estipulamos uma data ou período limite, acabamos nos motivando mais e, consequentemente, as probabilidades de realização são maiores, tanto para as mínimas coisas – como tarefas do dia a dia – quanto para as grandes realizações da vida. 

Cuide da sua saúde  

Pode até parecer clichê, mas é a realidade: “saco vazio não para em pé”. Por isso, para se manter firme na busca por suas realizações do novo ano, é necessário manter a saúde em dia!

Cuide-se, só assim será possível alcançar suas metas. Crie novos hábitos alimentares, pratique atividades físicas, tenha noites regulares de sono e faça acompanhamento frequentemente com o seu médico.

Com a saúde boa, você se sentirá bem para vencer os desafios e dar vida às conquistas tão desejadas! 

Atenção à saúde psicológica

Já em relação à saúde mental, o cuidado é igualmente essencial e valioso. Afinal, é a partir do equilíbrio entre corpo e mente que podemos potencializar o nosso bem-estar rumo aos objetivos traçados, além, é claro, de ser um direito de todo mundo se sentir bem consigo mesmo. 

Sem falar que, quando não estamos nos sentindo bem, diversas questões podem atrapalhar na nossa trajetória até a realização de tudo que queremos agora e no futuro. Para saber mais sobre saúde e bem-estar psicológico, clique aqui.    

E se algo te impediu de realizar sua meta, que tal entender o que aconteceu? Pode ter sido algo externo, fora do seu controle, mas também pode ter sido algum sentimento contraditório.

Voltando ao nosso exemplo, eu me organizo para comprar o carro, mas não me sinto merecedor dessa conquista. Então, cuidar desse “eu não mereço”, ou qualquer outro sentimento contraditório, pode ser essencial para você conquistar seus planos!

E o mais importante, lembre-se: alcançando ou não suas metas, não crie novas cobranças desnecessárias e saiba que o seu bem-estar deve ser sua prioridade sempre. Viva o presente sem se prender muito ao passado e ao futuro! Isso sim é uma meta boa para qualquer novo ciclo.

Saúde mental e esgotamento profissional

Saúde mental e esgotamento profissional

Você já se sentiu esgotado profissionalmente em algum momento da vida? Cobranças excessivas, envolvimento emocional e desgaste físico podem causar diversos problemas da saúde mental como ansiedade, estresse e depressão.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os transtornos mentais e comportamentais estão entre as principais causas de faltas ao trabalho no mundo, precisamente em terceiro lugar. 

Não à toa, os relatos de casos de Síndrome Burnout têm crescido, ainda mais neste período de pandemia. Questão que deve ser acompanhada por profissionais da área, empregadores e trabalhadores. 

Síndrome Burnout: o que é?

A Síndrome Burnout – ou Síndrome do Esgotamento Profissional – é um distúrbio caracterizado pelo estado de tensão emocional, estresse e exaustão mútua física e psicológica da pessoa, o que tem sido cada vez mais frequente nos ambientes corporativos de grande pressão, competitividade, responsabilidade, demanda e entrega.

Essas são algumas características que podem anunciar o diagnóstico da Síndrome Burnout, que possui diversos sintomas, como os listados abaixo, que, quando surgem, devem ser acompanhados por profissionais da saúde, sobretudo da saúde psicológica.

  • Cansaço excessivo, físico e mental;
  • Dor de cabeça frequente;
  • Insônia;
  • Dificuldades de concentração;
  • Sentimentos de fracasso e insegurança;
  • Negatividade constante;
  • Alterações repentinas de humor;
  • Pressão alta;
  • Problemas gastrointestinais.

Essa síndrome também pode acontecer quando o profissional é pautado para atividades mais difíceis, que fogem da área de segurança, o que pode acabar gerando insegurança e, consequentemente, outras questões relacionadas a prejuízos ao bem-estar.  

Existem soluções? 

Preventivamente, existem diversas ações que podem tornar o ambiente de trabalho menos exaustivo, sem perder a produtividade. Tudo pode partir de uma nova visão de organização. Para te ajudar nisso, selecionamos algumas dicas: 

#1 Organize seu tempo 

Quando tudo é urgente, nada é urgente! Por isso, organizar seu tempo de trabalho e vida, sempre estabelecendo as reais prioridades, é um excelente ponto de partida para afastar o esgotamento e estresse. 

Faça uma lista de tarefas, seja online ou no papel, e organize suas prioridades para dar conta de tudo sem se perder em meio a tanta coisa. 

#2 Menos centralização

Pedir ajuda para a realização de suas tarefas não é demonstrar fraqueza, pelo contrário, é saber delegar e otimizar o que precisa ser entregue. Claro, estamos falando das atividades que podem passar por esse processo, já que, provavelmente, algumas ficam a cargo exclusivo de suas expertises.

Isso é descentralizar muitas demandas e otimizar entregas e realizações de uma maneira que alia produtividade a menos pressão e possíveis desgastes. 

#3 Perfeccionismo: vilão ou aliado?

Você é muito detalhista a ponto de ser perfeccionista? Saiba que as demandas podem ser feitas com maestria sem esse toque da extrema perfeição. 

Obviamente, quando vamos fazer algo, devemos fazer com o nosso melhor, mas se você possui centenas de tarefas para o mesmo dia, o importante é liberá-las otimizadas, isso é, aliando tempo e qualidade dentro do que você conseguir.  

#4 Atenção especial aos gatilhos 

O que mais te causa estresse e esgotamento? Uma demanda/atividade específica, circunstâncias, ambientes? Atente-se a isso e, na medida do possível, vá eliminando esses gatilhos da sua rotina. Ninguém merece conviver com o que não lhe faz bem.

#5 Autoconhecimento 

É muito importante colocar em prática o autoconhecimento para saber de seus próprios limites e evitar a chegada dessas situações extremas. Além, é claro, de conseguir conciliar sua vida profissional com algo que se encaixe à sua realidade de vida.

#5 Acompanhamento profissional  

Além disso tudo que foi dito, o acompanhamento com profissionais da saúde psicológica é essencial. Essa é uma forma de potencializar as dicas que foram ditas aqui, de se conhecer melhor para evitar o que mais lhe é prejudicial e encontrar respostas que, às vezes, nem sabemos que estamos procurando.

Ter ajuda para isso tudo é um direito de qualquer pessoa, o que não dá mesmo é para viver no esgotamento físico, espiritual e mental. Todo mundo pode e merece viver com bem-estar. Para agendar uma conversa, clique aqui. 

O racismo e seus impactos à saúde mental

O racismo e seus impactos à saúde mental

É possível calcular os impactos do racismo à saúde mental das pessoas que o sofrem? Você sabia que jovens negros chegam a ter 45% mais chances de desenvolver depressão do que brancos? E, obviamente, o racismo tem grande importância nesse número. 

Esses são dois questionamentos que podem até se responder, mas essa questão está longe de ganhar uma solução ou até mesmo um cálculo que possa evidenciar o quanto o preconceito de raça pode ser prejudicial ao bem-estar psicológico dos indivíduos.

Cabelo malvado? 

Para se ter uma ideia dessa construção social que é o racismo e, consequentemente, seus impactos, desde cedo pessoas que não têm os fios lisos são obrigadas a ouvir que “o cabelo é ruim”. Isso, por si só, já evidencia o quão prejudicial é à autoestima, principalmente dos mais jovens. 

Afinal, cabelo é tudo igual, nenhum é malvado para ser considerado ruim, não é mesmo?! 

Mas esse é só um exemplo entre milhares de circunstâncias que tentam colocar um grupo de pessoas como inferiores, em ações que vão desde essa citada até as gírias, ditados e expressões relacionadas à época da escravidão e à margialização do povo preto que persistem nos dias atuais. 

Sendo assim, podemos concluir que vivemos em uma sociedade pautada pelo racismo estrutural que moldou a nossa construção social. 

O que fazer para mudar esse cenário? 

Muita coisa já mudou e, claro, isso foi conquistado com luta! Porém, a cada dia fica mais evidente que ainda é pouco, principalmente em relação ao cuidado psicoterapêutico de homens, mulheres, jovens e crianças negras. 

Para isso, existem ações como o Mês da Consciência Negra, período que evidencia essa discussão tão importante para todos os segmentos da sociedade, inclusive o da saúde mental

Diante desse cenário, mais importante do que calcular esse impacto, é propor ações que possam reverter essa situação. 

Então, não só nesta época, mas sempre, é dever de todas as pessoas não apenas ser contra o racismo, mas também ser antirracista no dia a dia em qualquer circunstância.

Sendo antirracista no dia a dia 

  • O primeiro passo, claro, é não ser racista. É ter empatia e aceitar que alguns termos, apesar de para vocês (branco) não terem nada demais, são sim ofensivos, machucam e ferem a autoestima física e psicológica das pessoas.
  • A segunda etapa é a de pesquisar e estudar sobre o tema, mas sempre lembrando que teoria nenhuma vai sobrepor a vivência de quem passa e sofre com isso.
  • Oferecer ajuda e reportar qualquer tipo de prática racista é dever de qualquer pessoa. Vale ressaltar que racismo é crime e, assim como qualquer outro, deve ser denunciado.
  • Não normalize piadas! Mesmo que apenas entre brancos, racismo não tem graça e deve ser combatido em qualquer circunstância.
  • Essa não é uma geração “mimimi”. É uma geração que entende e valoriza a luta de milhares de anos de um povo que nasce, cresce e morre sofrendo desde os mínimos detalhes apenas por causa da cor da pele. Então, respeite!
  • É profissional da área da saúde mental? Então busque alternativas para apoiar a causa e as pessoas pretas que, no Brasil, pouco tem acesso ao cuidado psicológico que se faz tão necessário para o resgate da autoestima, confiança e força vital.

Fazendo a diferença

Todas essas são ações básicas que podem fazer a diferença no combate ao racismo e em seus impactos à saúde mental de quem o sofre. Mas, respeitando de verdade, na prática, você já pode dar um belo passo em busca da igualdade racial tão sonhada em todo o mundo. 

Afinal, fazer a diferença já é ser diferente e mostra empatia e senso de comunidade! Todos e todas merecem viver com dignidade, amor e saúde física e psicológica, não é mesmo?!