fbpx
Os feedbacks e a forma como os fazemos e recebemos

Os feedbacks e a forma como os fazemos e recebemos

É muito comum lidarmos em nosso dia a dia com as mais variadas formas de feedbacks, seja com um conselho de algum amigo, um elogio de um parente ou uma crítica do gerente da nossa área. E além disso, também possuímos o hábito de oferecer e palpitar sobre como interpretamos o comportamento e outros aspectos das pessoas ao nosso redor. 

Mas será que, de fato, estamos dispostos a ouvir o que as outras pessoas têm a nos dizer? E, também, o contrário: será que as pessoas têm interesse em nos ouvir? Até que ponto esses feedbacks podem ser realmente úteis e benéficos à vida?

Como você lida com os feedbacks que recebe?

  • Elogios

    Suponhamos que hoje pela manhã algum amigo próximo tenha lhe dito que o seu último trabalho ficou incrível ou que seu novo corte de cabelo é muito legal. Como isso pode impactar no seu dia ou, ainda além, no seu bem-estar e autoestima?

    Sim, é o tipo de coisa que gostaríamos de ouvir e, em diversas situações, é o que esperamos e desejamos da outra pessoa. E quando a recebemos, é necessário dar o devido valor e compreender sua real importância e seus benefícios para nós mesmos.

    No âmbito profissional, a lógica é similar: se o nosso trabalho é reconhecido, devemos nos orgulhar e ter a consciência de que os nossos feitos são positivos e estão gerando os resultados esperados. Esse é o tipo de coisa que pode nos proporcionar, inclusive, mais saúde psicológica.
  • Críticas     

    O mesmo vale para quando o que recebemos não possui muita ligação com o que desejamos. Antes de tudo, se você recebeu uma crítica, precisa entender se ela condiz com a realidade e não possui traços de uma ofensa, por exemplo. Se sim, é necessário que o diálogo leve ao consenso entre quem está fornecendo o feedback e quem está recebendo.

    Mas se os pontos levantados tenham embasamento, é necessário uma reflexão para que o comportamento desejável seja alcançado por meio de diversas formas diferentes, desde o acompanhamento psicológico até às mudanças mais simples da rotina.

Como você oferece seus feedbacks às pessoas?

De tudo, seja para receber ou dar um feedback, a questão, de fato, é relacionada ao interesse real em ouvir e em como isso pode ser realmente útil ao indivíduo. Se a pessoa não possuir interesse em receber o que tem a ser dito, todo o processo pode ser indiferente e não resultar em nada.

Por isso e para evitar transtornos para ambas as partes envolvidas, o primeiro passo para dar um feedback realmente interessante é perguntar à pessoa envolvida se ela quer recebê-lo. Se sim, já é um ótimo pressuposto de que tudo que for dito seja, de fato, útil para todos. 

É hora de colocar em prática? Então devemos ter total cuidado com tudo que será dito e com a forma como será dita. No meu caso, na psicologia, utilizo a PNL como ferramenta de observação, que desempenha papel importante na interpretação do comportamento racional em meio às mudanças de atitude da outra pessoa.

Assim, é mais viável compreender o que pode ou não causar real impacto em quem está recebendo os feedbacks e pressupor se aquilo pode ser benéfico à evolução do indivíduo, afinal, esse é o maior objetivo de todo esse processo de críticas, elogios e percepções.

Você possuía essa ideia sobre a fundamentação e a importância dos feedbacks? Como costuma lidar com eles em seu cotidiano por mais simples que possam parecer ser? Para conhecer muito mais sobre isso e as formas e ferramentas mais assertivas para lidarmos com diversas questões da vida social, profissional e pessoal, acesse o link e fique por dentro de tudo: danielgabarra.com.br

Como lidar com a impaciência no dia a dia

Como lidar com a impaciência no dia a dia

É realmente muito comum nos depararmos com situações de impaciência no nosso cotidiano, seja de nós mesmos ou pelas pessoas ao nosso redor. Quase todo mundo já teve um momento ou um dia de irritação, e essa sensação atinge tantas pessoas justamente porque suas causas são muito amplas.

E, geralmente, esses nervos ficam mais intensos e evidentes em períodos de mais agitação e cansaço físico e mental na vida dos indivíduos, claro, não é coincidência: uma coisa está diretamente ligada à outra, e o ponto de partida para evitarmos esses piques impacientes é ter mais equilíbrio mental em nossas ações da rotina.

As principais causas 

Diretamente ligada ao estresse, a impaciência impulsiva e frequente pode ser explicada pela exaustão do indivíduo. Geralmente, pessoas muito impacientes estão passando por situações onde não conseguem controlar ou resolver ocasiões adversas e, por isso, agem de forma impulsiva e acabam se irritando com qualquer coisa, por mínima que possa ser. 

Ou seja, a sobrecarga, em geral, vem mais do acúmulo, tanto do presente quanto do passado, e não do fato em si ocorrido no momento. Além disso, os casos de irritação também podem ter relação com problemas ou questões não resolvidas, por exemplo: se uma pessoa não tem tanta paciência com um colega específico de trabalho, é porque, provavelmente, eles possuem uma pendência a ser resolvida. E essa “trava” acaba surgindo no relacionamento dos dois indivíduos. 

Outros casos podem ser relacionados a situações específicas: se você possui muita impaciência para falar sobre determinado assunto, é porque há algo a ser resolvido sobre isso. E em nenhum aspecto é positivo ficarmos internalizado ou prolongando esse tipo de pendência em nós mesmos, pois os nervos à flor da pele são só uma das consequências que isso pode provocar.        

Como devemos lidar com a impaciência?

O primeiro passo para mudar esse panorama é compreendê-lo e aceitá-lo. A negação deste sentimento impulsivo só pode potencializá-lo e, desta forma, gerar mais casos e casos de ofensas gratuitas (e até involuntárias) e estresse excessivos. Então, se você ouve com frequência que está impaciente ou se sente muito esgotado, quase que agindo de forma automática, talvez seja a hora de fazer uma reflexão e, até, procurar auxílio psicológico.        

E é o profissional da psicologia que poderá ajudar na reorganização dos pensamentos; a encontrar possíveis empecilhos que atrapalham na resolução de algumas situações incômodas e a entender que a impaciência não contribui com nada. Muito pelo contrário, ela prejudica e muito o convívio social, podendo piorar ainda mais as situações negativas envolvidas. 

Aqui, nos meus atendimentos, o Brainspotting entra como uma ferramenta essencial para facilitar o corpo a liberar a sobrecarga que vem do passado, remoto ou não, e permitir uma mudança mais fluida e eficaz. Desta forma, podemos encontrar e estabelecer o equilíbrio emocional buscado, proporcionando muito mais bem-estar, leveza e harmonia para nossa vida pessoal e profissional.

Por isso, apesar de ser comum, não podemos deixar a impaciência tomar conta de nossos dias. Assim vamos nos aproximar das pessoas que mais gostamos e nos livrar dos empecilhos que estejam impedindo o nosso próprio progresso. Para descobrir mais, basta acessar o link e ficar por dentro de todas as novidades que selecionamos para você: danielgabarra.com.br.  



Críticas x elogios: por que um parece mais importante que o outro?

Críticas x elogios: por que um parece mais importante que o outro?

Como você lida com os elogios e as críticas na sua vida? Por mais que seja agradável, nem todo mundo sabe lidar com elogios que recebe, independentemente do que se trate. E, mais do que isso, os comentários negativos parecem ter muito mais significado e importância, tornando o que foi positivo quase que indiferente ou inexistente.

E como você já deve imaginar, isso é muito comum na sociedade. Boa parte das pessoas lidam assim com as observações (ou quase feedbacks) que recebem no dia a dia e que, dependendo da forma como os recebem, podem ser bem interessantes para nossa própria construção social, pessoal e profissional. E pra você, o que é mais importante: as críticas ou elogios? Acredita que é possível encontrar um equilíbrio entre esses dois aspectos?

Por que somos assim?  

Esse comportamento e linha de pensamento pode ser explicado pela nossa criação social: nós somos condicionados a agir dessa forma. Aprendemos a dar e criar muito mais valor ao que perdemos do que ao que foi conquistado, isso, desde os primeiros anos de vida. Na escola, por exemplo, uma nota ruim possui muito mais significado do que três avaliações positivas. 

Mesmo sendo uma condição histórica e de vida condicionada pela sociedade, podemos conseguir reverter e potencializar o sentimento ao que é positivo, como um elogio, por exemplo. E para começar a mudar este panorama, é interessante aplicarmos um novo comportamento às crianças ao nosso redor. Dá-las mais credibilidade e confiança ao que foi feito, compreender os erros cometidos e agradecer pelo que foi realizado (ou às tentativas de realizar alguma tarefa). 

Essas pequenas ações podem começar a mudar um ritmo que vem atravessando gerações! E para conseguirmos mudar o nosso próprio panorama, também precisamos criar novos hábitos e, mais do que isso, compreender e dar valor ao que conquistamos e ao que recebemos das outras pessoas. Selecionamos pequenas dicas que já podem ser colocadas em práticas ainda hoje e que farão grande diferença na sua rotina.

  • Acima de tudo: pratique a gratidão! Por mais que possa parecer clichê, a gratidão possui um poder transformador! Quando colocamos ela em prática, os aspectos negativos ao nosso redor perdem valor e a vida ganha ares positivos. Vale a pena, tente hoje! Seja grato a tudo que você tem, ao que você já teve e as que sabe que vai conquistar! E, claro, não se esqueça de agradecer às pessoas importantes da sua vida. 
  • Falando em pessoas, cerque-se das que realmente te faz bem! Aproxime-se de quem traz coisa positivas para sua vida, das que compreendem os momentos difíceis e que sejam recíprocas com você, não importa a situação. Acredite, o nosso convívio social diz muito sobre o que queremos e somos em nosso cotidiano.
  • O que você mais gosta de fazer? Qual o seu lazer ou hobby favorito? Coloque-os em prática com mais frequência na sua semana, além de ter dias mais prazerosos, você vai se sentir bem em todos os aspectos, fisicamente e, principalmente, psicologicamente.  

Viu? É fácil colocar essas pequenas ações no seu dia a dia e, com elas, sentir grandes evoluções em todos os aspectos positivos na sua vida. Agora, os elogios que receber daqui pra frente farão mais sentido e terão muito mais significado para você.

Tudo isso tem a ver com o seu bem-estar mental! Encontrar o equilíbrio entre as críticas e os elogios é fundamental para levar a vida com mais leveza e, consequentemente, ter dias mais positivos. Que tal conhecer um pouco mais sobre tudo isso e, quem sabe, agendar uma conversa? 
Acesse o link e entenda a importância de se conectar com o melhor de sua saúde mental: danielgabarra.com.br. E para conhecer mais ferramentas que auxiliam no aspecto psicológico, fique ligado por aqui: vamos lançar conteúdos inéditos que vão te contar como receber e oferecer feedbacks.

A importância do acompanhamento psicológico na vida escolar

A importância do acompanhamento psicológico na vida escolar

Você se recorda de quando estava no período escolar? Bem lá no início, nos primeiros anos? Muito do que aconteceu nesse tempo pode representar bastante na sua vida atual. Afinal, é justamente a época em que começamos a nos entender, compreender as pessoas e tudo que nos envolve. 

Exatamente por isso, é essencial que nessa fase as crianças possam ter uma acompanhamento psicológico que, na verdade, praticamente não existe nas escolas brasileiras. Algo que deveria ser debatido com a real importância que o assunto pede, já que aspectos como o bullying, por exemplo, surgem justamente nessa etapa da vida.   

O ambiente nas escolas

Um ambiente de aprendizado saudável é fundamental para favorecer um bom desenvolvimento social, pessoal e estudantil. Entretanto, a realidade vivida nas escolas, sobretudo as públicas, é bem conturbada. Assim como as particulares que, apesar de terem outros aspectos específicos, também enfrentam grandes desafios. 

O problema é sistêmico e, muitas vezes, aparece de forma mais marcada na relação entre os próprios alunos que, mesmo sendo bem jovens, já geram conflitos entre si e se atacam com xingamentos relacionados à condição física do outro aluno, por exemplo, dando vida, então, ao bullying.    

Consequências 

E essa rotina de ofensas e negatividade aliada ao não acompanhamento psicológico pode acarretar em diversos problemas, como a depressão, que podem vir à tona com a pessoa ainda jovem ou mais tarde, na idade adulta. E, inclusive, no afastamento da criança dos estudos, o que também gera ainda mais problemas para vida no presente e no futuro.

E tanto para quem sofre quanto para quem causa esse sofrimento, é fundamental uma assistência psicológica que, inicialmente, deveria começar na escola, ação que poderia impactar positivamente na vida pessoal e social das crianças, no comportamento em sala e, consequentemente, no desempenho acadêmico. 

Quando conseguimos entender o aspecto sistêmico da questão, é possível compreender que, muito mais do que dizer que a criança precisa de um acompanhamento, é necessário que as relações como um todo (crianças e crianças, professores e crianças, professores e pais, pais e escola e etc.) sejam potencializadas com o olhar profissional para potencializar a saúde dos indivíduos e do grupo.

Falando assim, pode até parecer um desejo utópico, mas esse ideal já foi quase que obrigatório nas escolas públicas do país, entretanto, neste ano, o projeto que regulamentaria essa necessidade foi barrado e as instituições de ensino continuam com uma realidade bem distante da melhor para os alunos, professores e todos que os envolvem.

A realidade atual e a necessidade de se buscar saúde psicológica

Enquanto não houver nas escolas, que tende a favorecer o olhar sistêmico, as famílias precisam buscar esse acompanhamento de outra maneira, para favorecer o entendimento da real importância de ficarmos com a nossa saúde mental em dia, bem como a física.

Para isso, é necessária uma mudança na percepção social no que diz respeito a esse assunto. Mesmo com o elevado número de informações disponíveis no dias atuais, ainda existem pessoas que têm a convicção de que o acompanhamento psicológico só deve ser procurado em casos mais extremos, inclusive na juventude e no suporte e orientação aos pais e cuidadores, que possuem um número ainda menor de adesões às consultas com profissionais dessa área.

Procure conscientizar e conversar com os adultos e crianças do seu ciclo social, essa mudança de panorama pode começar por nós mesmos e impactar de forma bem positiva no futuro de muita gente. Para conhecer mais sobre o assunto e entender a real importância de se buscar o bem-estar mental, acesse o link: danielgabarra.com.br. Temos muito a conversar! Estamos à disposição.

As melhores dicas para evitar o estresse no seu dia a dia

As melhores dicas para evitar o estresse no seu dia a dia

Você se considera uma pessoa estressada? Qual o nível de agitação da sua rotina? Se você possui tantas atividades que nem consegue ter as respostas exatas para essas questões bem simples, talvez seja a hora de algumas coisas mudarem na sua vida

Por mais óbvio que possa parecer, o estresse é bem prejudicial à saúde física e mental das pessoas e, mesmo assim, a maior parte de quem desenvolve esse transtorno não busca tratamentos e mudanças que possam controlar e amenizar os efeitos desse estado de exaustão humana.

O que gera o estresse?

O estresse pode ser desenvolvido por pessoas de diversas esferas sociais, independentemente de sexo, religião, idade ou situação econômica. As principais relações ligadas à sua causa podem ser atribuídas à agitação da rotina, à falta de descanso, à exaustão física e, principalmente, psicológica.

Cientificamente, podemos falar, resumidamente, que chegamos ao estado de estresse quando nosso organismo passa muito tempo em agitação e alerta, ação que faz com que a liberação de adrenalina e cortisol no corpo fique elevada e, consequentemente, nos deixa com os nervos à risca, cansados, desgastados e, assim, bem estressados.      

Tem como evitá-lo?

Sim, dá pra amenizar o estresse na sua vida! Como? Pode até demorar um pouquinho, mas com pequenas mudanças dos hábitos diários dá para conseguir ter uma rotina mais leve e agradável e, dessa forma, evitar que os piques estressantes atrapalhem seus dias. Nós selecionamos as melhores dicas para você também conseguir:

  • Alimente-se de forma equilibra: acredite, comidas pesadas e muito gorduras podem atrapalhar o seu dia e, consequentemente, te estressar. Especialmente de noite, ainda mais com as que contenham cafeína, já que elas podem interferir diretamente na qualidade do seu sono.
  • Pratique atividades físicas regularmente e leve mais equilíbrio para sua vida e rotina. Um corpo mais disposto, é um corpo mais tranquilo. A atividade física estimula a produção de citocinas, tendo uma função antidepressiva. Meditações ativas, mindfulness e yoga também são ótimas opções para favorecer o equilíbrio do corpo.
  • O que te faz sorrir? Não importa se é um filme, um seriado, um show ou qualquer outra coisa. Se tem algo que provoque suas gargalhadas, o faça sempre mais presente na sua vida! 
  • Quantas horas do seu dia é dedicada ao sono? Uma das coisas mais importantes da vida é dormir, você precisa ter esse momento de REAL descanso por pelo menos 6 a 8 horas diárias.

  • O que te dá prazer? Sair com os amigos, ficar ao lado da pessoa amada, ir ao futebol, assistir os lançamentos do cinema… as opções são vastas e você merece fazer o que te deixa bem! É hora de colocar isso em prática. 
  • Fique ao lado de quem te faz realmente bem! Pode ser difícil se desprender de algumas pessoas que possam nos fazer mal, mas vai valer a pena só se rodear de gente iluminada!
  • Afaste-se do celular: ele pode te trazer muito entretenimento, mas é viciante e te faz perder coisas importantes que não estão conectadas a ele. E isso pode gerar estresse! Use-o com moderação. Crie rotinas e momentos onde você possa se desligar dele.
  • Faça acompanhamento regular da sua saúde física e mental. Estar em dia com seu bem-estar e ter conectividade entre seus aspectos físico e psicológico é essencial para você ficar de bem consigo mesmo e ter leveza na sua vida. 

Todos nós merecemos uma vida tranquila, com o equilíbrio perfeito entre trabalho, família, estudos, amigos e lazer. Dá sim para fazermos tudo com leveza e dias menos cansativos e estressantes. E já podemos começar hoje!

E se estiver desafiador colocar essas dicas em práticas, o que será que pode estar impedindo? A terapia de processamento pode te ajudar a liberar essas amarras e te permitir mudanças profundas e consistentes em em sua vida.        

Open chat
1
Para informações sobre os cursos e inscrições, clique abaixo e envie-nos uma mensagem direta pelo Whatsapp. Até logo!
Powered by