fbpx

Praticamente toda pessoa já ouviu falar ou debateu sobre a solidão, contudo, ainda em 2020, muita gente não dá a devida importância a este assunto. É fato e você pode conferir isso de perto: convide alguns amigos para falar a respeito e veja se este sofrimento psíquicoque atinge cada vez mais pessoas – é recebida com a atenção que realmente deve ter. 

Pode parecer irrelevante, mas, na verdade, quanto mais debatermos sobre este assunto, maiores serão as possibilidades de conseguirmos ajudar quem passa por essa situação muito delicada, ainda mais neste século que, com tanta informação disponível, fica difícil entender o que é útil e o que não é.

Sozinhos mesmo em meio às pessoas   

Solidão, como o próprio nome já diz, tem a ver com um sentimento de isolamento, de não pertencimento aos aspectos que nos envolvem na vida. Essa condição não nos permite criar identificação com outras pessoas, ambientes e diversas situações que parecem comuns aos outros seres humanos, isso, mesmo que estando rodeado de gente nos mais distintos locais.  

E essas condições podem ganhar, e ao mesmo tempo perder, ainda mais força nos dias atuais. Com a explosão das redes sociais, o número de pessoas que se sentem isoladas – mesmo com tanta gente presente nessas plataformas – continua crescendo, mas, em contraponto a isso, cresce também o número de pessoas que se sentem acolhidas e representadas por algum grupo ou ciclo social virtual. 

Fenômeno que só é possível neste século, no qual os limites territoriais passaram a ter menos relevância, proporcionando que pessoas de culturas e países diferentes pudessem se comunicar e, consequentemente, partilhem um sentimento de igualdade e pertencimento. De fato, são dois extremos recorrentes atualmente e que precisam de atenção de todos nós.

Como identificar a solidão, suas causas e soluções

Você já sentiu ou notou que alguém não se sentia à vontade em um ambiente? Pois bem, isso deve significar milhares de coisas e não pode ser, necessariamente, um traço da solidão emocional. Entretanto, quando isso ocorre com muita frequência em locais diferentes, com pessoas e situações distintas, aí sim pode-se configurar em um quadro dessa doença psicológica.

Para exemplificar, podemos falar de uma pessoa que está em uma festa e, por milhares de motivos, não se sinta à vontade ou conectada a tudo que está ocorrendo naquele local. Isso, de forma isolada, não configura esse quadro social e emocional, mas quando essa mesma pessoa se sente assim em ambientes como o de trabalho, lazer e até mesmo no lar, podemos entender como possível estado de solidão. 

Suas causas são bem diversas e podem surgir a partir de gatilhos específicos da rotina ou após algumas situações traumáticas e de grande impacto psicológico. O importante é se atentar ao seu comportamento e sentimento diante das circunstâncias descritas aqui e de várias outras frequentes no seu dia a dia.

Claro, também é importante ficarmos atentos aos comportamentos e sensações das pessoas ao nosso redor, principalmente das mais próximas. E, independentemente da situação, é essencial darmos a devida atenção a este assunto, quanto mais rápido agirmos, com tratamentos e acompanhamento psicológico, mais eficazes e assertivos serão os resultados e o surgimento do nosso sentimento de pertencimento, afinal, vivemos em sociedade e merecemos e podemos ser felizes individualmente, em pares e em grupos. 

Para conhecer mais sobre saúde mental e ficar por dentro do melhor para o bem-estar psicológico, acesse o link e entre em contato: https://danielgabarra.com.br/contato-2/.  

Comentários
Open chat
1
Para informações sobre os cursos e inscrições, clique abaixo e envie-nos uma mensagem direta pelo Whatsapp. Até logo!
Powered by