fbpx

MINHA PRIMEIRA EXPERIÊNCIA NO USO DO BRAINSPOTTING EM ATENDIMENTO CLÍNICO PSICOLÓGICO

Agostinho Cavalieri (CRP 04/13700)
(Psicólogo Clínico e Esportivo. Clínica há quase 30 anos em Belo Horizonte/MG)

Este texto foi escrito entre o final de novembro e meados de dezembro de 2021, logo após o curso de Fase 1 da formação em Brainspotting ministrada por Daniel Gabarra.

O artigo apresentado tem como objetivo relatar uma experiência de atendimento psicológico usando Brainspotting, no programa voluntário “Mães Solteiras em Situação de Vulnerabilidade Psicológica e Social”.

O atendimento relatado foi realizado à distância, por uma plataforma de videochamadas.

A paciente, que será chamada de Alice, é uma mulher jovem que teve uma gravidez inesperada. Tanto o contexto familiar, como o pessoal podem ser compreendidos como confusos, adoentados e organizados por um sistema de relações limitantes e abusivas.

Primeira Sessão

Alice tinha 25 anos quando me procurou para fazer psicoterapia. Era solteira, cursava Engenharia Ambiental em uma faculdade pública, morava em Contagem/MG e não trabalhava. Procurou o atendimento por indicação de uma colega. Na época, eu estava migrando do atendimento presencial para o online.

A cliente chegou com uma demanda de descontrole emocional, episódios de reações de raiva sem uma causa específica, relatos de abusos na infância e adolescência, crises de ansiedade, insônia, sintomas de pânico, traços de desregulação emocional, atenção deseducada, sintomas de fobia social e uma completa insegurança e desestabilização por conta de uma gravidez inesperada por meio de uma “ficada” ocasional.

Anteriormente, ao longo da sua vida, ela nunca tinha procurado atendimento psicológico nem psiquiátrico, porque seus familiares não acreditavam em todas as queixas e comportamentos atípicos dela. Quando criança e adolescente, poderiam ser consequências de problemas emocionais, mas julgavam como insuficientes para buscar acompanhamento psiquiátrico ou psicológico. Era como se fossem “coisa dela”, “frescura”.

A cliente apresentou perfil de vulnerabilidade socioeconômica, e só continuava seu curso porque era oferecido um programa de apoio social que contemplava transporte e alimentação para alunos carentes. Ao tomar conhecimento disso, eu decidi atendê-la voluntariamente. Perguntei se ela gostaria de ser atendida por um período limitado, porém sem custos. Ela aceitou prontamente.

Meus atendimentos voluntários para “mães solteiras” têm um número limitado de sessões, sendo uma sessão por quinzena, chegando a um total de seis sessões.

O contexto apresentado pela cliente, acrescido da necessidade de acolhimento urgente e da falta dos recursos para pagar um tratamento particular levaram-me a integrá-la. Também seria uma ótima oportunidade para eu utilizar os conhecimentos teóricos e práticos aprendidos no curso de formação em Brainspotting, Fase 1.

A minha percepção e os meus sentimentos sobre esse primeiro encontro foram de felicidade por ter a oportunidade de ajudar essa jovem que vinha em busca de socorro.

Ao entrar em contato, nesse primeiro momento, com a história de vida da cliente, senti uma breve apreensão sobre o que eu encontraria pela frente, porque tive um caso similar em que a cliente abandonou o processo sem muitas justificativas.

Eu me perguntei até quando passaremos por esse desinteresse e descrença das famílias em relação aos problemas emocionais dos filhos. [não achei um jeito bom de dizer]

Segunda Sessão

No início da sessão, a cliente estava bastante agitada e ansiosa. Com o olhar para baixo, iniciava seus primeiros contatos comigo. Não olhava para a tela do aparelho. Procurei conduzir com uma fala mais pausada, um tom de voz ameno, demonstrando tranquilidade e satisfação em recebê-la. Procurei criar uma atmosfera mais tranquila. Perguntei se ela havia conectado à internet com facilidade e se estava confortável. Perguntei se ela estava com sede. Ela logo respondeu que sim e que conectou bem à internet. Falei para ela pegar um pouco de água e assim ela fez.

Daí por diante, ela foi se soltando um pouco mais na poltrona que estava assentada na casa dela e foi se acalmando. Perguntei se ela já tinha feito terapia online anteriormente. Ela disse que não, que era tudo pela primeira vez, e que também nunca ninguém havia falado para ela que seria bom ela fazer terapia, e que sempre os familiares diziam que “ela não tinha nada” e que os “problemas eram invenção dela”.

Contou na sequência que uma amiga tinha compartilhado com ela que estava em terapia e se sentindo bem melhor que antes. Assim, ela tomou coragem para procurar este apoio e ver como era. Procurei verificar se ela estava com privacidade em casa. Ela disse que sim.

Então tomei um tempo para fazer psicoeducação, explicando o que é uma terapia, como funcionavam as sessões (tempo, metodologia, sigilo, dias certos das sessões etc.) e que poderiam ser usadas técnicas corporais para o desenvolvimento dos trabalhos com bom funcionamento à distância. A seguir, iniciamos a anamnese.

Durante a anamnese, a cliente apresentava-se muito apreensiva, com fala rápida e um tanto desorganizada. Os pensamentos estavam evidentemente acelerados. Naquele momento, entendi ser necessário trazê-la para um estado de calma para que ela pudesse ter um mínimo de regulação emocional para continuarmos a anamnese. Expliquei calmamente os benefícios da respiração e seu efeito calmante e a convidei para fazer os exercícios respiratórios, pois seria algo bom para ela naquele momento, e ela assentiu em fazê-los. Entrei com exercícios respiratórios básicos e aterramento simples (associação com o aqui e o agora), para ela sentir uma desaceleração física e mental. E assim foi feito, com imediato resultado positivo, com a cliente expressando: “puxa… nunca senti que podia me acalmar, pelo menos por um minuto… só respirando e colocando os pés no chão!”

Assim, dei continuidade a esta entrevista inicial. Pedi que me falasse um pouco sobre sua família e como foi sua trajetória para buscar sua formação superior. A cliente relatou que morava com a mãe (professora da rede pública) e o padrasto (aposentado e violento). Tem dois irmãos mais velhos e casados. O pai biológico é vivo, morou com ela até os 2 anos de idade e atualmente era separado da mãe, além de ter um péssimo relacionamento com a cliente e com a mãe dela. Ela relatou que o pai é doente mental diagnosticado (esquizofrenia) e que bebia muito, mesmo sem poder beber por conta de remédios, e que, quando não medicado, naquela época, batia nela e na mãe.

Então, a mãe se separou do pai biológico e algum tempo depois, ela se casou com uma outra pessoa também problemática e agressiva. Mas o padrasto tinha uma melhor relação com a cliente, apesar de tudo. Ela começou a ficar mais próxima do padrasto do que da mãe.

A cliente fez a observação sobre o comportamento diário da sua mãe. Professora de escola pública, todos os dias vinha com queixas sobre o trabalho, e era fria e agressiva. Alice comentou que, paradoxalmente, a mãe não cuidava dela e nem a incentivava nos estudos.

Perguntei se ela tinha irmãos. Ela disse que sim e começou a falar um pouco deles. A relação com os irmãos era sem muitas aproximações e às vezes com muitas discussões. E redirecionou a fala para a mãe. A cliente repetiu o relato que a relação com a mãe também não era das melhores, com episódios de abandonos físico e emocional, até porque a mãe trabalhava muito como professora e aparentemente descontava nela e nos irmãos suas frustrações do trabalho público.

A cliente citou que a mãe parecia guardar um rancor de crianças e as tinha como ‘inimigas”. Contou que achava que devia ser por causa dos alunos dela e por ter crescido em um lar abusivo e desestruturado. Relatou que sofreu ao longo da vida violência física, violência verbal (pelos pais), além de tentativas de estupro, abuso sexual (por pessoas de fora), mas pouco falava sobre isso com seus pais.

Relatou rapidamente sobre uma tentativa de abuso sexual, aos 9 anos, por parte de um amigo da irmã (um rapaz de 30 anos) e antes, aos 8 anos, por um professor em aulas de natação na escola, entre outros episódios na escola com colegas de sala. Não quis entrar em detalhes naquele momento. Eu percebia sinais e sintomas claros de Estresse Pós Traumático. Seguindo a sessão, eu apenas a deixava falar de acordo com sua vontade, e estava fluindo bem.

Daí perguntei sobre relacionamentos afetivos (namoros). Citou não ter tido relacionamentos de namoro sério por não confiar em homem nenhum, mas não sabe o porquê dessa desconfiança. Suspeitava que era por causa da relação com o pai, professores, com o padrasto e das brigas com o irmão. Questionada como se sentia em estar ali com um terapeuta do gênero masculino, ela sorriu e disse que “estava ali também para lidar com suas dificuldades” e que, por ser online, facilitava. Nunca foi de ter muitos amigos, saía pouco porque preferia ficar em casa, e se sentia ansiosa demais perto de muita gente. Sempre que namorava era por pouco tempo e já terminava.

A cliente, então mais calma, começou a organizar sua narrativa. Falava sobre si de forma depreciativa e se culpando pela vida que levava. Revelou sentir-se só, que era muito insegura e começou a ficar mais em silêncio daí para frente, durante a sessão da anamnese. Resolvi encerrar esta sessão. Antes, sondei como ela estava se sentindo e se estava mais calma e tranquila. Ela disse que sim e que gostou de ter tido a sessão.

Terceira Sessão

Na terceira sessão, a cliente chegou pontualmente, com um semblante mais calmo, parecendo que já não era mais tão assustador estar em terapia. Eu a recebi com um largo sorriso, que foi timidamente correspondido e perguntei se ela estava bem acomodada. Estava curioso para saber de algum impacto positivo das reflexões provocadas, mínimas que fossem.

Perguntei como tinham sido os dias anteriores, ela deu uma pausa e começou a chorar. Permiti que ela soltasse sua emoção e logo que ela deu uma brecha, perguntei o que a fez chorar. Ela, novamente dando pausas longas, começou a dizer que não sabia porque tinha essas vontades de chorar repentinamente. Disse que se sentia boba e insegura com essas “vontades vindas do nada”.

Procurei explicar que, quando temos algumas situações não compreendidas ou não resolvidas dentro de nós, poderíamos ter essas vontades do nada. Ela compreendeu e disse que sim, que poderia ser isso e que ela sentia isso muitas vezes, mas que não tinha forças para falar sobre isso. Sinalizei positivamente, manifestando meu entendimento e aceitação do que ela compartilhava comigo e normalizei a situação, dizendo que tudo ali seria no tempo dela e da forma que se sentisse melhor.

Decidi, então, explicar a ela sobre traumas emocionais. Ela ouvia atentamente, com uma expressão de interesse.

Continuamos a sessão e, em um primeiro momento, eu não quis explorar nenhum ponto que ela trouxera na anamnese, apesar de haver vários assuntos relevantes para um início de terapia. Deixei a cliente à vontade para falarmos da semana e da sessão anterior. Ela se manteve mais calada. Falou um pouco dos seus anseios para o ano e de seus desejos que sua vida mudasse. Apontou que não entendia porque tinha rompantes de raiva. Ela demonstrava que não queria prosseguir falando de si e dos problemas.

Nesse momento, eu a fiz lembrar que eu havia explicado na primeira sessão que poderíamos usar alguns procedimentos e atividades nos quais usaríamos o corpo de forma tranquila e serena, através do movimento dos olhos e das sensações no corpo. Eu então perguntei o que ela estava sentindo naquele momento e ela respondeu que se sentia oprimida e angustiada.

Eu a levei à curiosidade de voltar a sua atenção para si e para seu corpo, procurando sentir onde no seu corpo estavam localizados esse aperto e essa angústia. Ela logo apontou para o peito. Eu expliquei que nosso corpo guarda as sensações sobre o que sentimos na vida. Ela ficou curiosa e aderiu àquele caminho. Comecei então a falar do Brainspotting.

Expliquei, então, como o criador do Brainspotting ajudou uma atleta em um dos atendimentos dele e como ela melhorou das dificuldades, e que isso aconteceu quando a atleta “achou” um ponto que ela estava fixando o olhar sem perceber, enquanto lembrava de algumas situações do passado dela. Assim, a atleta “ajudou” o próprio cérebro a cuidar dos seus traumas, sem se esforçar e sem sofrer novamente por causa daquelas lembranças, que poderiam causar dor.

Ela gostou daquilo e resolveu cooperar mais ainda. Expliquei o que era o Brainspotting e como faríamos aquela atividade, explicando o que era o SUDS (Escala de Unidade Subjetiva de Perturbação), como ela identificaria sua ativação ou mobilização de 0 a 10 e como usaríamos o SUDS para nos orientar na evolução daquela intervenção. À medida que ela ia compreendendo a metodologia, ia cooperando e então perguntava se, assim, não precisaria ser inquirida do passado e nem precisaria explicar os porquês e o como das coisas. Eu disse que sim, que não precisaria relatar se não desejasse. Já estávamos terminando a sessão, então preferi encerrar.

Durante essa sessão, eu estava mais confiante no processo que se seguiria nas próximas.

Quarta Sessão

Recebi Alice com um largo sorriso e ela prontamente retribuiu, depois se acomodou e iniciamos. Perguntei sobre a semana e ela disse que os dias eram iguais “dentro e fora dela”.

Então ela começou a, espontaneamente, trazer um assunto sobre os estudos e como conseguiu, com seu esforço e sem a ajuda da mãe, passar de ano na escola, ano após ano, até chegar ao ensino superior, sem apoio e só recebendo continuamente as cobranças da mãe, com frases depreciativas.

A mãe e o pai biológico não incentivavam e nem cuidavam do acompanhamento escolar. O padrasto era um pouco mais interessado. Ela não entendia o descaso da mãe, já que era professora. Quando a mãe tocava no assunto “estudo” era para depreciar, cobrar notas e nada mais. Perguntei como ela se sentia falando deste assunto e respondeu que seria a mesma angústia e opressão “no peito” do primeiro dia de conversa. Perguntei a intensidade de 0 a 10 do incômodo para saber o quanto esse tema a mobilizava, e ela respondeu 10. Voltei a falar do Brainspotting, e a orientei como se daria essa aplicação. Ela entendeu todo o processo e o tema escolhido foi o da sessão anterior: angústia e opressão por causa das dores da vida, da raiva, da insegurança e do desalento com tudo.

Optei naquela circunstância pela Janela Interna, na qual a cliente sinalizava que a queixa e intensificação da sensação aumentariam ou diminuiriam em determinado ponto nos eixos X e Y do campo visual, ao buscar o ponto da ativação (posição ocular onde ela se sentia em maior contato com a ativação provocada pelo tema).

Expliquei tudo a ela, como seria o atendimento, e comecei o rastreamento no eixo X, usando a Janela Interna. Ela entendeu e respondeu bem ao escaneamento. Fizemos todo o eixo X, com o incômodo aumentando no olhar pelo lado esquerdo. Fizemos então o escaneamento do eixo Y e o incômodo não aumentou, permanecendo na linha horizontal, quando ela fixou o olhar para a extrema esquerda. Pude detectar também que do lado direito ela tinha um ponto de recurso que diminuía a intensidade do incômodo. Daí, ao acharmos o ponto do Brainspotting, pedi a ela que fixasse o olhar naquela direção e naquele ponto na parede, e deixássemos o cérebro trazer o que tinha para trazer e apenas observaríamos o que viria. Poderiam demorar um pouco ou virem logo  as sensações, os sentimentos e os pensamentos, e que assim sendo, ela só observasse e, se quisesse, poderia relatar. Não foi difícil achar o ponto que ela começaria o processamento, porque ela entendeu bem as instruções e procurava cooperar com a percepção da sensação, que aumentava ou diminuía no escaneamento dos eixos X e Y.

Reforcei que não se preocupasse e, apenas se desejasse, poderia compartilhar comigo o que vinha em seu campo de consciência.  Assim, ela entrou em processamento e eu apenas acompanhava a “cauda do cometa”, expressão usada por David Grand para se referir à postura fenomenológica do terapeuta durante o processamento.

Alice fixou o olhar e, por um tempo de cerca de 8 minutos, ficou em silêncio. De repente, começou a se emocionar e chorar. Eu disse a ela que se permitisse chorar o quanto sentisse ser necessário e acolhesse o que seu cérebro estava trazendo… Assim foi, até que ela parou de chorar e começou a trazer algumas falas sobre ser culpada das coisas que acontecem com ela e sempre estar sendo alvo de alguém que quer tirar algo dela.

Então continuou o processamento, voltando a silenciar-se. Ficou mais um tempo calada com o olhar fixo no ponto que a mobilizava. Bocejou algumas vezes. De um momento para o outro, começou a dizer que a mãe dela não precisava ser assim com ela, e que ela sentia que não tinha culpa da forma que a mãe a tratava e que, se pudesse, teria reagido às muitas injustiças que a mãe cometeu, mas não conseguia. Falou isso com uma maior serenidade na voz.

Eu reforçava, apenas dizendo para ela permitir que seu cérebro continuasse trazendo o que teria que trazer, e que ficasse com isso.

Então, pedi a ela que percebesse em seu peito aquela angústia e opressão citadas no começo e se ainda estavam em 10. Ela, já surpresa, disse que estava bem mais leve e que estava em 3. Conduzi para o final da sessão, dizendo que retomaríamos na próxima sessão e que ela prestasse atenção em seus sonhos, porque o processamento continuaria acontecendo, e que os anotasse, se desejasse. Ela foi embora, desconectando da plataforma, bem equilibrada, após uma sessão de bons processamentos.

No final da sessão, pude perceber o quanto o Brainspotting pode fazer uma diferença positiva no desenvolvimento do processo terapêutico.

Quinta Sessão

Nesse atendimento, ela trouxe um fato sério, que me surpreendeu.

Já de início, ela trouxe a novidade da gravidez inesperada. Começou a relatar como ficou grávida e seu atordoamento e sua insegurança sobre o futuro como mãe solteira sem condições financeiras, além de como contaria para a família e o que faria com seus estudos.

Abalada naquele instante, Alice começou a contar como aconteceu a gravidez. Relatou que foi à uma festinha de uma colega, coisa rara segundo a cliente. Lá ela se empolgou, bebeu um pouco a mais, não estando acostumada, e “ficou” com um rapaz que foi bem sedutor, com uma conversa alegre e que fez a cliente sentir-se a pessoa mais bonita do mundo. Ela começou a ceder e a bebida fez com que ela ficasse mais à vontade. Ela relatou que não se lembra bem do que acontecera naquele dia. Só lembrava que foi para um quarto da casa e, dali por diante, lembrou que tinha transado com o rapaz muito rapidamente e que depois ele a deixou sozinha e ela não o viu mais.

Um mês depois, a menstruação dela atrasou e ela começou a sentir muita preocupação. Procurou a amiga e contou o que houve naquele dia e que a menstruação estava atrasada. A amiga então deu o número do rapaz e a cliente guardou, caso precisasse.

Naquele momento, a paciente queixou-se da angústia e, novamente, da opressão no peito.

Essa foi minha deixa para entrarmos em processamento no Brainspotting e começarmos. Ela pediu para olhar para aquele ponto anterior e eu concordei. Ela começou a olhar já dizendo: “Está 10 e parece que quero sumir…”. Eu já comecei a dizer para ela simplesmente deixar seu cérebro ajudá-la. Ela começou a chorar muito, perguntando a si mesma “o que faria com tudo que está acontecendo” e relatando que a mãe e o padrasto iriam brigar com ela quando soubessem.

Ao mesmo tempo que ia se culpando, começou a dizer que tinha forças e que iria enfrentar. Eu reforcei, dizendo que ela já tinha vencido tanta coisa na vida. Enfatizei que ela deixasse seu cérebro trazer os pensamentos e sentimentos. Ela balançou a cabeça concordando. Ficou novamente em um silêncio profundo por alguns minutos. Eu acompanhei pacientemente até ela voltar dizendo que não tinha culpa de ser sozinha e de ter raiva de tudo. Mais um tempo em silêncio. Eu repeti que ela não tinha culpa e que era muito forte. Ela ouvia, fixada no ponto. Dizia que iria ter o filho, que ele teria tudo que ela não teve e que ela venceria. Eu reforcei dizendo: “fica com isso.”

Alice ia mudando o semblante à medida que a sessão ia caminhando para o final. Perguntei sobre o SUDS e ela disse que não entendia o porquê, mas a angústia tinha acabado e a opressão também. Sorria timidamente, espantada. Então, finalizei a sessão, dizendo a ela que finalizaríamos nossos atendimentos na próxima sessão e que combinaríamos o futuro.

Sexta Sessão

Ela estava bem arrumada e com um semblante sereno. Contou que estava dormindo melhor e com mais calma, não tinha mais rompantes de raiva, sabia mudar os conteúdos das conversas em família, caso não fossem convenientes e que estava conseguindo planejar sua gravidez e seu futuro. Também relatou que não abandonaria a faculdade.

O pai da criança foi avisado e não trouxe problemas, dando total apoio, para a surpresa dela, pois acreditava que ele não a ajudaria em nada.

Com relação aos homens, ela continua com um “pé atrás”, mas sentindo-se mais segura, no que dependesse dela. Citou que não entendia bem o porquê de estar melhor e em tão pouco tempo. Eu expliquei como o Brainspotting pode ter ajudado.

Combinamos então um encontro virtual por mês, para dar uma manutenção até ela poder aderir a um acompanhamento particular comigo ou com outro profissional.

Eu estava com uma sensação boa de ter ajudado um ser humano que necessitava desse acolhimento, e, ao mesmo tempo, revigorado com a integração da minha prática terapêutica ao Brainspotting.

Observação final sobre a minha experiência:

O uso do Brainspotting foi surpreendente, pois eu sempre fui um terapeuta da fala, e essa experiência terapêutica me levou a um outro nível. O Brainspotting me fez dar novos significados à minha práxis, com resultados mais rápidos e satisfatórios. Com essa aquisição do conhecimento e habilidade no uso clinico do Brainspotting, aumenta, assim, minha competência e autoconfiança. Iniciou-se um processo interno de revisão dos meus olhares clínicos. Sem dúvida, de agora em diante, o leque de intervenção e adequação às demandas e diferenças individuais no ato clinico, que se apresentam no meu dia a dia profissional, podem ser encarados com uma maior sensação de segurança.

Supervisão para profissionais: por que é importante?

Supervisão para profissionais: por que é importante?

Você sabe por que a supervisão para profissionais é importante? Convenhamos, atender terapeuticamente é um grande desafio, em vários aspectos! 

Desde a questão técnica e teórica até a prática. Além, claro, do aspecto relacional com diversos casos e pacientes bem distintos.  

Afinal, lidamos com pessoas que são diferentes e que podem nos trazer diversas situações novas e surpreendentes. 

Por isso, estar em constante aprendizado e evolução, além de ter uma visão externa, pode ajudar e muito a expandir nossa atuação enquanto profissionais. 

Como a supervisão pode contribuir? 

A supervisão enriquece e aprofunda o trabalho do terapeuta, levando seus resultados a um nível mais profundo.

Dessa forma, potencializando as soluções e entendimento para situações novas e as de rotina.

Além disso, em determinadas situações, nossos atendimentos podem seguir por caminhos que esbarram em nossas próprias questões internas. 

E isso não é algo fora do normal. Afinal, apesar de sermos profissionais da área, também somos seres humanos e possuímos nossos questionamentos a serem solucionados.   

Tudo isso implica na necessidade de possuirmos um olhar externo para nos ajudar com nós mesmos e com a situação profissional envolvida. 

Existem diversas formas de se fazer a supervisão 

Para atender essas múltiplas questões, a supervisão que ofereço também é múltipla.

Ela pode ser presencial ou online, em grupo ou individual e síncrona ou assíncrona. 

Tudo isso, sendo dividido em 4 formas: a Supervisão de RolePLay, Supervisão Teórica, Grupo de Supervisão Online (EAD) e Grupo de Supervisão Presencial.    

Certamente há uma forma que melhor pode te atender, conheça elas a seguir!

Supervisão de RolePLay 

Essa supervisão pode ser realizada de forma presencial ou online e tem sua base histórica no Psicodrama.

Entretanto, pode ganhar novos significados quando relacionada ao Brainspotting e EMDR.

Além disso, ela se baseia no entendimento de que, por meio da autorregulação subcortical, compreendemos que a relação terapêutica abrange todo um processo de comunicação.

E não apenas verbal, indo na ajuda que vai além da racionalidade dos envolvidos. 

Assim, elevamos a qualidade do trabalho do profissional, deixando o cérebro agir acima das percepções do consciente e da comunicação verbal e racional.

Supervisão Teórica

Este modelo é o mais tradicional de discussão de casos.

Nele, basicamente, ocorrem os olhares e percepções externas que, com base no conhecimento do supervisor, potencializam o trabalho e ajudam o profissional a identificar as soluções e problemas relacionados ao caso.

Assim, o terapeuta tem suas habilidades expandidas e, com base no Brainspotting, EMDR e outras metodologias, consegue dar prática aos resultados desejados pelo paciente em questão. 

Este tipo de supervisão pode ser realizada de forma presencial ou online, se adequando às necessidades de cada profissional.

Grupo de Supervisão Online (EAD)

Neste grupo, existem duas formas de participar:

Participante assinante:

Nesta, você contribui com uma quantia mensal e participa de um encontro aberto onde todos podem trazer dúvidas e questionamentos. Assim, temos um espaço para dúvidas teóricas ou questões mais pontuais de casos. 

E você pode participar do debate ou encontros de todos os casos apresentados dentro do grupo para além do encontro mensal.

Além disso, você passa a ter acesso ao banco de dados de casos já apresentados anteriormente pelo grupo.

Ou seja, cria possibilidades reais de ver uma situação em comum com a buscada e, assim, encontrar resultados ou gatilhos que possam te levar ao que você busca. 

Supervisionando:
Sendo assinante, a cada 6 meses de pagamento regular e contínuo, você tem direito a um encontro exclusivo para seu caso.

Assim, ele será debatido e enriquecido com os argumentos e experiências de todos do grupo, além do próprio supervisor. 

Você também pode adquirir encontros extras para seus casos a partir de um valor reduzido dentro do grupo de supervisão.

Grupo de Supervisão Presencial  

Neste tipo de supervisão você é quem dita o ritmo.

Ela pode ser feita dentro do processo de RolePLay ou Teórico e leva ao profissional novas perspectivas sobre a aplicação terapêutica. Podendo gerar insights para atendimentos mais complexos ou fora da área de domínio absoluto do terapeuta.

O profissional pode montar o seu próprio grupo a ser supervisionado e levantar todos os aspectos relacionados ao seu caso e circunstâncias que o envolve.

Encontrou o que mais combina com você?

Então não perca mais tempo: clique aqui agora mesmo, conheça mais e entre em contato para aperfeiçoar ainda mais o seu conhecimento e prática profissional. 

A autoestima sendo a sua aliada

A autoestima sendo a sua aliada

Você sabia que a sua autoestima pode ser uma grande aliada na sua vida? 

Então, como você considera a sua: baixa, moderada, elevada? Saiba que estar em dia com o seu próprio bem-estar é essencial para tudo na sua vida, desde seus relacionamentos às realizações pessoais, profissionais e etc. 

O que é a autoestima?

Dessa forma, resumidamente, a autoestima é a opinião, positiva ou negativa, que cada um tem e faz de si mesmo.

Mas, apesar de ser algo de nós sobre nós, ela muitas vezes é construída a partir das experiências pessoais, das emoções, crenças, comportamentos, autoimagem e da imagem que os outros têm sobre a gente.

Claro, quando estamos de bem com ela, temos mais confiança e tranquilidade para lidar com as mais diversas situações da vida. Dessa forma, os dias passam a ganhar novos significados, ficando mais prazerosos, e até as dificuldades começam a ganhar soluções mais simples.  

Como equilibrar a autoestima?

Tudo isso parece um sonho, não é mesmo?! E você pode transformá-lo em realidade. Comece te valorizando e reconhecendo cada conquista, por mínima que possa parecer. 

Assim, a única comparação cabível no processo de desenvolvimento é com nosso próprio passo anterior.  

Então, exalte suas qualidades e não tenha medo de ser e fazer o que lhe dá prazer. Essas ações vão começar a te reconectar consigo mesmo e potencializar o seu melhor “eu”, além de proporcionar mais autoconhecimento.          

Claro, cuidar de si também é fundamental, desde a questão física, com uma alimentação balanceada, a prática de exercícios regulares e etc., até a parte mental com o acompanhamento da saúde psicológica.  

Foque em você

Afinal, para ter boa autoestima, é muito importante se conhecer. E nada melhor do que focar em si para isso! Coloque em prática a autoaceitação, dê tempo a você para se entender e respeite os seus momentos. 

Assim como o contato com suas próprias fragilidades e vulnerabilidades. Pois a capacidade de acolhê-las pode ser um grande potencializador para fortalecer sua autoestima.

Essas ações vão contribuir para o desenvolvimento do seu autoconhecimento, chave para muitas portas importantes da vida, inclusive da autoestima.  

Claro, conte com o apoio de profissionais da saúde psicológica para alcançar as suas melhores versões. Que tal conhecer um pouco mais sobre tudo isso? Basta clicar aqui.

A sinergia entre nossos pensamentos e ações 

A sinergia entre nossos pensamentos e ações 

Acredite, tudo que ganhou prática na sua vida, antes passou pela sua mente. Por isso, é essencial possuirmos a sinergia entre nossos pensamentos e ações.

Então, atualmente em sua vida, você age de acordo com o que pensa? 

Essa reflexão parece complexa e, às vezes, impossível de colocar em prática. Mas saiba que a forma como pensamos tem grande papel em como agimos. 

Quando nossos pensamentos são negativos, acabamos agindo da mesma forma, mesmo que de forma inconsciente.

Processando pensamentos   

Se suas crenças são limitantes, a tendência é que você também seja. Por isso, é importante ressignificar elas. 

Principalmente quando estão ligadas aos pensamentos que nem sequer fazem sentido ou são irreais, como as paranoias que criamos sem fundamento.  

Às vezes, elas surgem e tomam conta de nós, criando ações que vão com base nisso e não no que de fato existe no real. Ou seja, passamos a agir com base em pensamentos que foram semeados e difundidos em nossa mente, sem uma estrutura ligada à realidade.

Na prática

Para exemplificar isso melhor, vamos supor a seguinte situação: você percebe 2 amigos do seu ciclo social em um evento sem a sua presença e, logo, passa a criar suposições negativas para não ter recebido o convite. 

Nesse meio tempo, teorias já foram criadas na sua mente e o seu comportamento muda com eles. Quando, na verdade, podem apenas ter se encontrado coincidentemente ou tiveram um compromisso em comum, não tendo nada a ver com não querer a sua presença.

Como dito, esse é só um exemplo entre os milhares que podem acontecer com frequência no nosso dia a dia, desde ciúmes a centenas de outras inseguranças que prejudicam nossas relações com as pessoas e, principalmente, com o nosso eu interno. 

Treinando o pensamento

É possível mudar esse cenário e transformar os seus pensamentos em algo mais positivo, indo de encontro com as suas ações. E treinar a sua mente a ser mais positiva pode ajudar, e muito!   

Inclusive, podemos ir ainda mais longe mudando o que há por trás de nossos pensamentos e que sustentam os que não fazem sentido, mas que possuímos mesmo assim. Como os padrões construídos ao longo de nossas histórias e que podem ser “dissolvidos” com o processamento do Brainspotting.

Então, para treinar tudo isso, comece falando a si mesmo sobre sua capacidade de realizar o que deseja, de agir e lidar como sempre quiser, em sinergia com sua mente. Faça isso tendo uma imagem afirmativa do que você busca!

Isso vai lhe proporcionar mais segurança, autoconhecimento e uma reflexão sobre quem de fato é.

Na prática, de novo

Usando o mesmo exemplo acima, uma boa forma de lidar com seus pensamentos seria o de entender que sua presença é sim querida e desejada por seus amigos e amigas e, que nesta ocasião, não foi possível por questões de agenda e etc. E se for desafiador sustentar esse novo pensamento, é aqui que o Brainspotting ajuda!

Afinal, se realmente não gostassem de ter você por perto, não seriam parte importante de seu ciclo social.  

Como conseguir fazer tudo isso?

Claro, essa mudança não acontece da noite pro dia e cada indivíduo pode alcançar isso de formas distintas, inclusive tendo o acompanhamento da saúde psicológica com profissionais capacitados. 

Além do treinamento da mudança de pensamento que precisa ser feito de forma contínua para processar adequadamente o que nos vem à mente e distanciá-la do que não é de fato real.

Que tal saber mais sobre tudo isso e entender a relação da sinergia entre nossos pensamentos e ações? Então, clique aqui agora mesmo e fique por dentro sobre saúde e bem-estar psicológico.

Qual a nossa responsabilidade quando buscamos ajuda? 

Qual a nossa responsabilidade quando buscamos ajuda? 

Você já parou para refletir sobre as questões que envolvem um pedido de ajuda? É complexo, mas quando pensamos a respeito, muita coisa passa a fazer sentido. Afinal, qual seria a nossa responsabilidade quando buscamos ajuda

Claro, vivemos em sociedade, pedir ajuda é mais do que necessário em muitos momentos. Entretanto, em alguns casos esses pedidos podem ter mais a ver com uma transferência de responsabilidade do que, de fato, com necessidade.   

Como isso ocorre?

Quando se busca ajuda, será que também estamos buscando um papel de irresponsabilidade para nós mesmos? E, assim, depositando no outro soluções que poderiam partir da gente.  

Em alguns casos, quando buscamos a ação do outro, podemos estar, na verdade, abrindo mão da nossa liberdade e autossuficiência e, dessa forma, transferindo uma responsabilidade nossa ao outro. 

Isso acontece quando fugimos da nossa autonomia de resolvermos nossas próprias questões e, consequentemente, criamos uma dependência das outras pessoas. 

Como acontece na prática?

Para entender melhor, vamos supor a seguinte situação: 

  • Você precisa chegar ao trabalho às 8h e seu vizinho que também trabalha relativamente perto chegará à empresa às 9h. 
  • E, ao invés de pegar um outro transporte para chegar no devido horário, você decide ir junto a ele e justificar seu atraso pela carona que saiu mais tarde. 

Esse é um cenário de transferência de responsabilidade. Ainda mais se, neste caso, você for a pessoa que achar ruim o seu vizinho não sair mais cedo para cumprir os horários que são seus.

Essa é apenas uma simulação que, provavelmente, você já deve ter visto acontecer. Mas, convenhamos, esses casos de pedidos de ajuda transvestidos de transferência de responsabilidade ocorrem muito, desde os pequenos detalhes às grandes ações.

E é importante ressaltar que mesmo que seja uma necessidade real, respeitar o limite e possibilidade de ajuda do outro é fundamental. Afinal, quando tentamos ultrapassar esse limite (e muitos ‘ajudadores’ podem deixar isso acontecer), acabamos, sem nos dar conta, abrindo mão da nossa autonomia e responsabilidade.

Por que isso acontece? 

Claro, “cada caso é um caso”, mas em boa parte das vezes essas ações podem ser relacionadas com o medo das próprias responsabilidades e, até mesmo, de se ter autonomia e independência.

Como se as pessoas em questão sentissem essa necessidade de dependência de outros seres. Dessa forma, transferindo a eles o que de fato deveria pertencer a elas mesmas.    

Reflexão bem importante e que pode fazer muita diferença no dia a dia, não é mesmo? Então, que tal entender ainda mais a respeito? 

O episódio 73 do 2aÀS11, meu quadro de lives do YouTube, trata desta questão e das formas que ela impacta em nossas vidas. Para conferir esse programa muito pertinente, basta clicar aqui agora mesmo.  
E, para conhecer mais sobre saúde e bem-estar psicológico e comportamento humano, é só clicar aqui!